soneome in person about this."/> soneome in person about this."/> soneome in person about this."/> soneome in person about this."/> soneome in person about this."/> soneome in person about this." />

Os Garibous

No pequeno país de Burkina Faso, situado no oeste do continente africano, a religião islã é praticada por cerca de 50% da população. Devido a crenças religiosas, os pais entregam um de seus filhos homens para a tutoria do Marabou, com a promessa de que eles serão bem cuidados, alfabetizados em árabe e terão uma formação corânica. Porém, essa não é a realidade encontrada pelas crianças ao passarem para a tutoria dos mestres corânicos.

Vivendo agora sob a tutoria dos Marabous, essas crianças e jovens, com idade entre 5 e 17 anos, passam a enfrentar uma luta diária pela sobrevivência, enfrentando longas jornadas de abusos e exploração em condições sub-humanas, sem acesso às necessidades básicas de sobrevivência, como moradia, alimentação e cuidados de saúde, sendo transformadas em verdadeiras escravas, conhecidas como Garibous, que no dialeto local significa “mendigos”.

Mal vestidos, sujos e desnutridos, os Garibous acordam diariamente às cinco da manhã para cumprir o ritual islâmico de oração. Privados do sono devem recitar e memorizar versículos do Alcorão, sob a supervisão de um mestre corânico, cujos métodos de ensino abrangem muita violência. Após o rigoroso ritual, as crianças são obrigadas a perambular pelas ruas para conseguir dinheiro para seu tutor e para se alimentar. Aqueles que não conseguem dinheiro ou não atingem a quantidade diária recomendada, são submetidos a duros castigos físicos.

No período de chuvas, que são escassas no país, os Garibous são obrigados, também, a trabalharem na agricultura, sem o auxílio de ferramentas adequadas para o cultivo, muitas vezes famintos, doentes e sem acesso à água potável.

Os que tentam fugir da escola corânica sofrem severas punições, como castigos físicos extremos, que podem cegar ou deixar marcas físicas profundas, para que sirvam de lição aos outros que tentarem fugir.

Os pais, muitas vezes sabem das condições enfrentadas pelos filhos, porém a miséria os obriga a deixá-los nessa situação.

Essa prática de escravidão acontece em todos os países do oeste africano. Valendo-se da religião, a exploração de menores pelas escolas corânicas se transformou numa grande indústria, tanto que o número de escolas e de Garibous tiveram um grande aumento nesta última década.

O Estado, como protetor dos direitos humanos, responsabiliza a família e a religião pelo fenômeno vivido e quase nada faz para reverter essa situação.

Estima-se que mais de 1 milhão de crianças e jovens vivam nessa condição de análoga-escravidão. Várias ONG´s e grupos humanitários trabalham para denunciar essa triste realidade e conseguir dar uma vida digna a essas crianças.

Desenvolvido por Studio Preview